Manual de Produção
Recomendar esta página no Facebook       


11.03.2014

Normas de Segurança em eventos

 
 
 
 O produtor, Guilherme Vieira, o gerente técnico, Ronald Goés, e o supervisor operacional, Murilo Coelho, receberam a equipe da T&M para explicar como as Normas de Segurança são aplicadas em montagens de eventos na Sala São Paulo, sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.
 
 
 
 
Com patrocínio da Porto Seguro Eventos, a Tempos & Movimentos está produzindo uma série de reportagens sobre Normas de Segurança em eventos, com intuito de divulgar o que é necessário para se trabalhar com segurança e qual a realidade do mercado.  
 
Depois de conversar com Ermírio de Oliveira, gerente geral de operações do Transamérica Expo Center, procuramos pela OSESP para entender como as Normas de Segurança são aplicadas em montagens na Sala São Paulo. 
 
 
  
"Não precisaríamos nos preocupar se as leis fossem seguidas."
 
 
Assim teve início a nossa entrevista com o supervisor operacional, Murilo Coelho; com o gerente técnico, Ronald Goés;  e com o produtor, Guilherme Vieira;  que nos explicaram que "na Sala São Paulo, as Normas de Regulamentação são seguidas à risca e isto é  básico para se iniciar um trabalho”. 
  
Em seu dia a dia, a casa mantém uma equipe na linha de frente da produção dos eventos e, para eles, a montagem do evento tem início no momento em que os caminhões começam a ser descarregados. 
 
 
"Em situações extremas, naquelas que já avisamos e já pedimos, somos obrigados a mandar parar a montagem. E nestes casos, é impressionante como as providências são tomadas de forma rápida e as empresas envolvidas se enquadram nas Normas. Afinal, o evento tem que acontecer!” alerta o gerente.
 
 
 
Normas de Regulamentação
 
As Normas de Regulamentação são complexas e até pouco conhecidas... Mas durante uma montagem de event,o várias  delas precisam ser colocadas em prática.
 
A equipe da OSESP nos atentou que em muitos casos, a empresa fornecedora precisa ter equipe qualificada e treinada no mínimo em 4 Normas de Regulamentação:  
 
 

- NR 35 - Norma Regulamentadora de Segurança em Altura
Estabelece as regras de segurança para qualquer tipo de montagem em altura acima de 2 metros, seja área interna ou externa, para cenografia ou técnica.

 

Uma delas estabelece que o trabalhador deve permanecer conectado ao sistema de ancoragem durante todo o período de exposição ao risco de queda, uma regra pouco respeitada pelos próprios profissionais técnicos.

 
 
- NR 10 - Norma Regulamentadora de Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade
Determina a segurança necessária para atuação com eletricidade. Aqui se aplica para os fornecedores de som, iluminação e projeção. 
 
A Norma prevê, por exemplo, que as empresas estão obrigadas a manter esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus estabelecimentos com as especificações do sistema de aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteção.

 

 
- NR 12 - Norma Regulamentadora de Segurança no trabalho em Máquinas e Equipamentos 
Estabelece normas para utilização de maquinário, desde montagens de técnica e cenografia. 
 
Por exemplo, as vias principais de circulação nos locais de trabalho e as que conduzem às saídas devem ter, no mínimo, 1,20m  de largura e as áreas de circulação devem ser mantidas permanentemente desobstruídas.

 
 
- NR 18 - Norma Regulamentadora de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção
Prevê as normas de segurança para as construções provisórias, como tendas e áreas externas. 
 
Uma das determinações diz que é obrigatória a comunicação à Delegacia Regional do Trabalho, antes do início das atividades,do endereço correto da obra, endereço correto e qualificação (CEI,CGC ou CPF) do contratante, empregador ou condomínio, tipo de obra, datas previstas do início e conclusão da obra e número máximo previsto de trabalhadores na obra.
 
 
 
Mercado despreparado
 
 
“O mercado de eventos ainda está muito despreparado. Os fornecedores de eventos não se preocupam com segurança, como acontece em outros países. No dia a dia temos dificuldade de cobrar e colocar todas as Normas de Segurança em prática”, pontuou o Gerente Técnico, Ronald Goés.
 
  
Para a equipe da OSESP, o ponto fraco do mercado, além do despreparo técnico, é a falta de comunicação entre agência, fornecedores e equipe.  
 
 
“Nem sempre a agência que fez a locação tem a preocupação de passar para os seus fornecedores todos os critérios que serão exigidos. Muitas acreditam que seus fornecedores já estão treinados e dentro dos padrões. Mas, nem sempre isso acontece. O mercado de certa forma está acompanhando as mudanças, mas não na velocidade que é necessário”, disse o Supervisor Operacional, Murilo Coelho. 
 
 
 
Treinamento
 
 
Um ponto importante foi levantado durante a conversa sobre os treinamentos: os cursos sobre as Normas de Regulamentação têm validade média de 18 a 24 meses.  Sobre a NR 35, por exemplo, é preciso reciclagem a cada 2 anos. 
 
Ponto nos levou até os free lancers. Como ficam os profissionais autônomos?
 
“É uma questão cultural. O treinamento é a própria segurança do trabalhador. É um investimento que ele faz na sua carreira e na própria vida. É um curso que precisa ser exigido e fornecido de uma forma em geral pelas empresas.”, respondeu o Gerente Técnico, Ronald Goés. 
 
No mercado, somente os profissionais que estão fixos em empresas ou são funcionários de um espaço para eventos é que são treinados.  Ou seja, a minoria! Na prática, as empresas não vão investir no treinamento  dos freelas para eles trabalharem, depois, em outro local. 
 
Como mudar a realidade do mercado?
 
 
"Nossas exigências visam a segurança de toda a equipe e mesmo assim escutamos que estamos dificultando o trabalho...  É uma questão total de consciência!", conclue Ronald Goés. 
 
 
Enquanto isso, o que mais se ouve nos bastidores são respostas do tipo: 
 

"Puxa, com luva é ruim para mexer no equipamento."

"Colocar o cinto vai demorar."

"Todas essas exigências vão atrasar a minha montagem."

"Só vocês exigem isso."

 
 
Segurança em eventos é uma questão vital, que demanda investimento tanto do empregador quanto do empregado. Ambos precisam querer trabalhar com segurança, senão...
 
 
 
 
 

 

 





< voltar

Manual de Produção
Uma seção dedicada para facilitar o dia a dia do profissional. Matérias tutorias sobre as mais diversas etapas de produção de um evento.
AUTOR



Viviane Salles
Editora de Redação da Tempos & Movimentos.